30 de setembro de 2011

Onde já se viu o mar apaixonado por uma menina?
Quem já conseguiu dominar o amor?
Por que é que o mar não se apaixona por uma lagoa?
Porque a gente nunca sabe de quem vai gostar.
(Ana e o Mar - O Teatro Mágico).

27 de setembro de 2011

"(...) quero aceitar minha liberdade sem pensar o que muitos acham: que existir é coisa de doido, caso de loucura. Porque parece. Existir não é lógico." (Clarice Lispector - A Hora da Estrela)

26 de setembro de 2011

Inochi ga kurikaesu naraba nandomo kimi no moto e
Hoshii mono nado mou nanimo nai
Se nossas vidas pudessem ser recomeçadas
Não importa quantas vezes fossem, Eu voltaria para você
One more time, one more chance - Yamazaki Masayoshi

25 de setembro de 2011

Quando percebi, estava olhando para as pessoas como se soubesse alguma coisa delas que nem elas mesmas sabiam. Ou então como se as transpassasse. Eram bichos brancos e sujos. Quando as transpassava, via o que tinha sido antes delas, e o que tinha sido antes delas era uma coisa sem cor nem forma, eu podia deixar meus olhos descansarem lá porque eles não se preocupavam em dar nome ou cor ou jeito a nenhuma coisa, era um branco liso e calmo. Mas esse branco liso e calmo me assustava e, quando tentava voltar atrás, começava a ver nas pessoas o que elas não sabiam de si mesmas, e isso era ainda mais terrível. O que elas não sabiam de si era tão assustador que me sentia como se tivesse violado uma sepultura fechada havia vários séculos. A maldição cairia sobre mim: ninguém me perdoaria jamais se soubesse que eu ousara. Ninguém me perdoaria se soubesse que eu sei o que elas são, o que elas eram. Caio Fernando Abreu
Porque esse talvez seja o único remédio quando ameaça a doer demais: invente uma boa abobrinha e ria, feito louco, feito idiota, ria até que o que parece trágico perca o sentido e fique tão ridículo que só sobra mesmo a vontade de dar uma boa gargalhada. Caio Fernando Abreu
Eu preciso muito muito de você eu quero muito muito você aqui de vez em quando nem que seja muito de vez em quando você nem precisa trazer maçãs nem perguntar se estou melhor você não precisa trazer nada só você mesmo você nem precisa dizer alguma coisa no telefone basta ligar e eu fico ouvindo o seu silêncio juro como não peço mais que o seu silêncio do outro lado da linha ou do outro lado da porta ou do outro lado do muro.Mas eu preciso muito muito de você. Caio Fernando Abreu
É fácil morrer. A toda hora, em todos os lugares, a morte está se oferecendo. Mais difícil é continuar vivendo. Eu continuo. Não sei se gosto, mas tenho uma curiosidade imensa pelo que vai me acontecer, pelas pessoas que vou conhecer, por tudo que vou dizer e fazer e ainda não sei o que será. Caio Fernando Abreu
Enumerou: tarde demais para a alegria, tarde demais para o amor, para a saúde, para a própria vida, repetia e repetia para dentro sem dizer nada, tentando não olhar os reflexos do sol cinza nos túmulos do outro lado da avenida. Caio Fernando Abreu
Aquilo que é bom, e de verdade, e forte, e importante - coisa ou pessoa - na sua vida, isso não se perde. Caio Fernando Abreu
Eu sentia profunda falta de alguma coisa que não sabia o que era. Sabia só que doía, doía. Sem remédio. Caio Fernando Abreu
Seja menos burra com você mesmo, não derrame mais nenhuma lágrima e não perca mais nenhum segundo. Caio Fernando Abreu
Há pessoas que nascem para serem sós a vida inteira. Eu, por exemplo. (…) Freqüentemente me assusto, pensando que a vida vai acabar sem que eu encontre um grande amor ou uma grande amizade, ou mesmo uma grande vocação que justifique esse isolamento. Caio Fernando Abreu
Não queria fazer mal a você. Não queria que você chorasse. Não queria cobrar absolutamente nada. Por que o Zen de repente escapa e se transforma em Sem? Sem que se consiga controlar. Caio Fernando Abreu
Um cego vê mais que um homem comum porque não precisa olhar para fora de si, porque o que ele deseja ver está completamente dentro e é inteiramente seu. Caio Fernando Abreu
O vento sopra sobre o lago e agita as águas. Barcos de papel navegam pelas sarjetas. Você está parado na janela, atrás da vidraça. Você olha para fora. Não há nada diferente ou incomum lá fora. São os mesmos edifícios, do outro lado e mais além da rua. As mesmas árvores, poucas. Algumas vidas existindo tão discretamente quanto a sua, por trás de outras vidraças nos edifícios do outro lado e além da rua. Assim olhando, de repente você se percebe tão quieto que tem vontade de fazer alguma coisa. Qualquer coisa dessas cotidianas, anônimas, acender um cigarro, ligar o rádio, quem sabe abrir a vidraça atrás da qual você está parado. Mas não faz nada. Você prefere não fazer nada. Permanece assim: parado, calado, quieto, sozinho. Na janela, olhando para fora.  
- Caio Fernando Abreu
Caríssimos leitores do blog, este texto que vos segue é, para mim, um dos melhores que já li do Caio Fernando Abreu. E, talvez eu possa até dizer com certa intimidade que o tenho como amigo particular, daquelas horas de desespero e que sempre tem uma frase, uma palavra, um consolo para te ajudar.  Então, espero que este texto que será publicado, ajude a, ao menos, um de vocês, assim como me ajudou, ajuda e ajudará!
Atenciosamente,

Giih.
´...Mas se eu tivesse ficado, teria sido diferente? Melhor interromper o processo em meio: quando se conhece o fim, quando se sabe que doerá muito mais — por que ir em frente? Não há sentido: melhor escapar deixando uma lembrança qualquer, lenço esquecido numa gaveta, camisa jogada na cadeira, uma fotografia — qualquer coisa que depois de muito tempo a gente possa olhar e sorrir, mesmo sem saber por quê. Melhor do que não sobrar nada, e que esse nada seja áspero como um tempo perdido.
Tinha terminado, então. Porque a gente, alguma coisa dentro da gente, sempre sabe exatamente quando termina.
Mas de tudo isso, me ficaram coisas tão boas. Uma lembrança boa de você, uma vontade de cuidar melhor de mim, de ser melhor para mim e para os outros. De não morrer, de não sufocar, de continuar sentindo encantamento por alguma outra pessoa que o futuro trará, porque sempre traz, e então não repetir nenhum comportamento. Ser novo...´
- Caio Fernando Abreu

24 de setembro de 2011

Crie laços com as pessoas que lhe fazem bem, que lhe parecem verdadeiras.
Caio F. Abreu

20 de setembro de 2011

“Quando a gente gosta, a gente começa emprestando um livro, depois um casaco, um guarda-chuva, até que somos mais emprestados do que devolvidos. Gostar é não devolver, é se endividar de lembranças.”
Fabrício Carpinejar

19 de setembro de 2011

When I close my eyes to this paradox place 
I'll fly away, far away from here 
I'll get away and dream, dream of you  
(Quando eu fechar meus olhos para este lugar paradoxo
Eu voarei, para longe daqui
Eu fugirei, e sonharei, sonharei sobre você)
When it's all said and done 
And the night has come 
I'll disappear, take flight on the wind of wishing you were here 
Fading light, like a star whose life has been gone for years.
(Quando tudo isso for dito e feito
E a noite chegado
Eu desaparecerei, voando junto ao vento desejando que você esteja aqui
Luz sumindo, como uma estrela que a vida já se foi a anos)


And I'll fly, fly across the sky 
And I'll leave, I'll leave it all behind 
If you'll be here, here with me tonightI'll be fine, I'll be fine; I'll be fine.
(Eu voarei, voarei através do céu
E eu deixarei, deixarei tudo para trás
Se você estiver aqui, aqui comigo esta noite
Eu estarei bem, eu estarei bem
Eu estarei bem.)

Awakening - Mae
Foram tantas brincadeiras, tantas conversas, tantas risadas e olhe agora. Nem conversamos mais.
- Caio F. Abreu

18 de setembro de 2011

Vai passar, tu sabes que vai passar. Talvez não amanhã, mas dentro de uma semana, um mês ou dois, quem sabe? O verão está aí, haverá sol quase todos os dias, e sempre resta essa coisa chamada 'impulso vital'. Pois esse impulso ás vezes cruel, porque não permite que nenhuma dor insista por muito tempo, te empurrará quem sabe para o sol, para o mar, para uma nova estrada qualquer e, de repente, no meio de uma frase ou de um movimento te surpreenderás pensando algo assim como 'estou contente outra vez.
- Caio Fernando Abreu
Talvez isso seja o que eu estou precisando escutar hoje. Assim como, talvez, várias pessoas estejam.
Uma boa semana é o que eu desejo à todos vocês: seguidores ou não!

17 de setembro de 2011

Na noite passada eu sonhei com você

Acordou naquela manhã e sentiu-se estranha ao se lembrar do sonho que acabara de ter. Sua estranheza se tornava cada vez maior ao tentar se lembrar do rosto do homem que havia aparecido em sua mente enquanto ela dormia – sendo sua tentativa inútil. Alguns flashes do sonho passavam pela sua cabeça, mas nada que tornasse possível evidenciar a identidade do desconhecido.

Foi para o trabalho, mas nos intervalos de suas atividades, a estranheza era sentida apertando seu coração, sem ela nem saber o por que. Nesses momentos desejava ter dormido mais cinco minutinhos para que ao menos pudesse se recordar do rosto do homem que segurava sua mão em seu devaneio.

Quando chegou o horário de almoço, decidiu ficar só. Foi almoçar sozinha e para sair da rotina saiu à procura de um restaurante que ainda não conhecia. Optou por um pequeno restaurante italiano, que era novo na cidade.

Foi atendida prontamente por um jovem garçom, de aproximadamente dezesseis anos, que aparentava ser de origem italiana. Por mais aconchegante que era aquele lugar, ela ainda não havia deixado a sensação de estranheza de lado, sentia como se ela pressionasse seu estômago. Justamente por isso pediu apenas um pequeno prato de uma boa macarronada italiana, embora pensasse consigo mesma que o macarrão nem ao menos era uma criação dos italianos.

Quando chegou o seu pedido, ao olhar aquele prato, imaginou que deveria ter pedido uma quantidade maior, pois a visão era tão apetitosa que sua gula já havia aparecido querendo mais um prato, mas decidiu mandá-la silenciar e disse-lhe que precisava de um regime. Até mesmo a estranheza pareceu pedir para sentar-se à mesa e almoçar com ela, mas dessa vez recusou facilmente sua presença.

Almoçou sozinha, apenas observando as pessoas ao seu redor e saboreando aquela refeição apetitosa. Ao terminar, ainda havia algum tempo livre até a volta ao escritório. Decidiu chamar o garçom para pedir a conta. Quando este trouxe o seu troco, pediu à ele que parabenizasse o cheff pela ótima refeição que havia sido servida. O garçom a interrompeu dizendo que chamaria o próprio cheff para que recebesse tal elogio. Sentiu-se um pouco perdida, pois não era do seu feitio ficar tanto tempo em um restaurante, muito menos mandar elogios à cozinheiros, uma vez que sempre estava com pressa e atrasada. Mas neste dia sentiu-se relaxada, embora a estranheza ainda a acompanhasse.

Havia um incômodo naquela espera pelo tal cozinheiro, que logo se extinguiu ao ver sair pela porta que levava à cozinha, um belo homem, de aproximadamente 25 anos, vestido todo de branco, com a barba feita e de olhos verdes. Ela estava aguardando um senhor já com uma idade avançada, um típico italiano, desses senhores que vemos em filmes como atores coadjuvantes, mas em vez disso, quem apareceu foi o próprio protagonista galã.

Ao ver o rapaz vindo em sua direção, sentiu que a estranheza segurou a sua mão, quase que para acalmá-la. O semideus cozinheiro se apresentou, e ligeiramente ela também identificou-se e teceu elogios à sua refeição. Ele, muito solícito, mostrou-se contente com aquela conversa e agradeceu com um belo sorriso de dentes perfeitamente enfileirados.

A mão dela estava suada e seu coração bateu um pouco mais forte quando ele se despediu apertando sua mão. Depois disso, não se lembrava mais de nada que havia ocorrido. Não conseguia lembrar que desmaiou quando o cheff ainda a cumprimentava. Não recordava que foi carregada pelo jovem garçom até sua casa que ficava no segundo andar do restaurante. E não tinha conhecimento que aquele também era o apartamento do cozinheiro, que era irmão do garçom também charmoso.

Não sabia nada sobre tudo isso, mas bastou abrir os olhos e observar aquele rapaz todo de branco segurando sua mão que ela soube que seu sonho tinha sentido, que o rosto daquele jovem presente em seu devaneio era lindo e, além disso, que ele era um ótimo cozinheiro. Não havia explicações concretas sobre tudo aquilo, mas sabia que havia encontrado o melhor restaurante da cidade.

Deu um pequeno sorriso ao pensar sobre isso, e o jovem correspondeu pedindo se ela estava melhor. Levantou-se e pediu desculpa pelo transtorno que havia causado e foi interrompida pelo rapaz que pediu que ela esperasse um momento. Voltou com um papel nas mãos. Quando ela olhou, precisou conter o riso ao ler aquelas letras no papel: VALE UM MÊS DE ALMOÇO GRÁTIS. Agradeceu, despediu-se e partiu.

Saiu do restaurante tentando deixar sua visão romântica de lado, entendendo aquele “VALE” como um modo de consolá-la para que ela não se sentisse tão constrangida em voltar em outra ocasião, mas quando virou o papel comprovou que a sua intuição estava certa. Olhou atentamente aquela frase e a leu várias vezes com os olhos brilhando. Escrita com uma letra pequena, quase que para ser esquecida, estava a frase: “Eu não te conheço, mas sei que você é a garota dos meus sonhos, volte”. E ela, mesmo sem entender tudo aquilo, levava consigo uma certeza. Não sabia se ele era o homem da sua vida, não sabia onde tudo isso ia parar, mas ela sabia, sabia onde iria almoçar no dia seguinte.

Elis C.

15 de setembro de 2011

Vai parecer clichê e, é completamente clichê, porém, devo dizer, ou melhor, confessar que, a internet perdeu a graça sem você!
Giuliana
Resta, acima de tudo, essa capacidade de ternura. Essa intimidade perfeita com o silêncio...
Vinícius de Morais

14 de setembro de 2011

E quem tem Deus no coração sabe que não a mal que vingue, nem inveja que maltrate, nem inimigos. Por que pra todo mal, há cura.
Caio Fernando Abreu
E vão se passar dias, meses e anos, e, mesmo que você se esqueça de mim, eu irei lhe guardar com carinho em um pedaço do meu coração que sempre será seu. (frasesdegarota)
Eu plantei amor, e por fim colhi uma grande lição.
                          Sincerityofaboy

13 de setembro de 2011

O que é teu, chega com o tempo. E o que não é, se vai com ele.

12 de setembro de 2011

Aprendam garotos: Quando uma menina pedir seu moletom emprestado, elas não pedem só por pedir, elas querem que seu cheiro fique nela.
{meninodosteussonhos}
Um fato sobre mim: Amo quando pessoas tentam me fazer sorrir, só pra me alegrar.

11 de setembro de 2011

Quero esquecer completamente. E sei que nunca esquecerei.
- Caio
A mente sem ordem, sem qualquer motivo de qualquer ação, tu vives: apenas, sem saber por quê, como, para quê, tu vives: cadáver.
- Carlos Drummond Andrade

10 de setembro de 2011

9 de setembro de 2011

Quantas vezes você disse a pura verdade e disfarçou falando ”brincadeira”?
Ultimamente tá tudo bagunçado na minha vida. Meu quarto, meu guarda-roupas, meu coração, e principalmente minha mente.
Confesso que você está em todos os meus planos.” 
Caio Fernando Abreu